Nós precisamos colocar de volta o ED em EDTECH

O edtech (tecnologia educacional) continua a emergir como uma forma proeminente dos professores apresentarem aprendizado individualizado para seus alunos. As escolas estão gastando mais dinheiro do que nunca em novas ferramentas digitais e plataformas que prometem melhores resultados para os alunos. Infelizmente, alguns desses programas estão mais focados no design chamativo do que na resolução de problemas reais de sala de aula. O valor acadêmico real está ausente em muitos dos novos programas que estão sendo implementados em sala de aula.

Se vamos continuar adotando os benefícios da tecnologia, precisamos colocar o “ed” de volta no termo edtech. Os programas e ferramentas que os educadores estão usando precisam apresentar um valor real a seus alunos. Como podemos avançar com melhores soluções usando tecnologia educacional? Aqui estão alguns itens que as empresas emergentes de tecnologia educacional devem ter em mente.

ADICIONE PROFESSORES à equipe desde o início

As empresas emergentes de tecnologia de ponta são frequentemente fundadas por engenheiros que não têm formação em assuntos relacionados aos programas que desenvolvem. De acordo com o especialista Jim Lobdell, muitas empresas tentam se adaptar no mercado de produtos sem a ajuda de educadores experientes. Eles economizam dinheiro e recursos para que profissionais possam ajudar com o design (estético) ao invés de investir em professores que poderiam ajudar com o conteúdo e a apresentação. Para evitar revisões caras e reduzir a quantidade de tempo para criar um produto com sucesso, os professores devem ser adicionados à equipe desde o início.

Identifique PROBLEMAS REAIS na sala de aula

Os engenheiros não sabem quais problemas existem na sala de aula porque não têm experiência neste ramo. Muitas vezes, eles criam um programa que resolve uma necessidade que, na verdade, não é uma prioridade para os professores. De acordo com a pesquisa, apenas 63% dos estudantes americanos (imagine no Brasil!) estão usando tecnologia para resolver um problema, conduzir pesquisas ou trabalhar de forma colaborativa. Esse número fica muito abaixo do que poderia ser se a edtech se concentrasse mais em resolver problemas de sala de aula.

Oferecer SOLUÇÕES mais SIMPLIFICADAS

Um dos problemas que as grandes empresas e professores/coordenadores de tecnologia da informação estão enfrentando é que poucas plataformas oferecem serviços simplificados. Os professores podem ter que visitar uma dúzia de programas/plataformas diferentes para atingir todas as suas necessidades de sala de aula. Keith Westman, o fundador da empresa Otus Edtech, observa que a tecnologia parou de resolver problemas e começou a sobrecarregar os professores. Como eles precisam usar vários programas, as informações relevantes sobre o aprendizado e os dados dos alunos acabam espalhados em muitos lugares. Os professores precisam ser capazes de acessar essas informações mais convenientemente. Com todos os números na ponta dos dedos, os professores poderiam começar a formar uma visão mais abrangente de onde os alunos estão com dificuldades ou se destacando na sala de aula.

A Edtech ainda tem o potencial de revolucionar a sala de aula, mas ainda tem um longo caminho pela frente. Novas empresas e gigantes da indústria precisam se lembrar de manter a educação na vanguarda de seus novos desenvolvimentos. Isso pode ajudar a aliviar o fardo que muitos professores sentem e melhorar os resultados para os alunos. Está na hora de começarmos a analisar um pouco mais como podemos colocar o ed de volta na edtech.

 

Texto escrito por Matthew Lynch, retirado do site TheEdAdvocate.org e traduzido por Nathália Martins (Content Manager do BrEd.Tech).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *